sociais

logos

Cresce Brasil

Não sei se o chamo de estratégico ou de tático, mas existe um tripé que organiza as atividades estritamente sindicais na conjuntura atual.

O primeiro pilar é a luta pela antecipação das negociações coletivas, principalmente daquelas categorias que têm datas-bases mais para o fim do ano. Aquelas que as têm por agora devem intensificar as campanhas para conquista de fortes reajustes reais de salários.

O fundamento destas exigências é o descolamento evidente entre o índice de inflação aplicado anteriormente nas convenções e acordos e a aceleração da carestia, nos alimentos e combustíveis.

O segundo pilar é a associação destas campanhas de antecipação e de ganhos reais com a solidariedade classista e popular aos que passam fome ou amargam dificuldades.

WhatsApp Image 2022 07 08 at 07.11.36 23Uma grande iniciativa foi tomada pelo sindicato dos metalúrgicos da Grande Curitiba que transformou o fundo de greve em fundo de solidariedade, disponibilizando para o ex-metalúrgicos desempregados a mais de seis meses uma ajuda mensal até o fim do ano. Consolidado o cadastro o auxílio poderá ser estendido aos familiares, parentes, vizinhos e colegas, dando à iniciativa um cunho popular.

O terceiro pilar é consequência da correta posição assumida pela maioria das centrais sindicais a respeito da PEC emergencial aprovada pelo Senado por iniciativa do governo. Mesmo sendo atrasada, demagógica e eleitoreira, as direções sindicais a consideram necessária porque alivia a situação de milhões de brasileiros e brasileiras.

Portanto, a posição sindical que deve orientar as ações dos trabalhadores passa a ser, além da denúncia daquelas características negativas, a exigência de mais benefícios, maior ampliação dos contemplados, maior prazo de duração e outras medidas capaz de enfrentar consequentemente a alta dos preços.

Antecipação das negociações e ganhos reais, solidariedade classista e popular e exigência do “quero mais” eis o tripé, tático ou estratégico, que na vigência da pauta da CONCLAT sintetiza as ações estritamente sindicais na conjuntura atual.

João Guilherme Vargas Netto é analista político e consultor sindical da FNE

Adicionar comentário


logoMobile