sociais

logos

Cresce Brasil

Maior complexo da América Latina, o hospital da Faculdade de Medicina da USP destaca-se pelo atendimento à população e pela importância das pesquisas técnico-científicas que produz

HCA ideia para a construção de um hospital-escola começou em 1915, com os objetivos de aprimorar o ensino dos estudantes de medicina e oferecer assistência médica gratuita à população carente da capital e do interior do estado. Hoje o complexo hospitalar do Hospital das Clínicas (FM) da Faculdade de Medicina (FM) da USP ocupa uma área de 600 mil metros quadrados com cerca de 2,4 mil leitos distribuídos entre os oitos institutos especializados e dois hospitais auxiliares.

Na solenidade de comemoração dos 75 anos do hospital, realizada em 25 de novembro, o diretor da Faculdade de Medicina e presidente do Conselho Deliberativo do HC, professor Tarcísio Eloy Pessoa de Barros Filho ressaltou a responsabilidade da instituição construída por grandes nomes da medicina brasileira: “nossa responsabilidade é tentar manter esse patrimônio construído por grandes nomes da medicina brasileira, que se confundem com a história do HC e da faculdade”.

Na mesma ocasião, a professora Eloisa Silva Dutra de Oliveira, diretora clínica do Hospital da Clínicas, falou sobre a criação do hospital-escola e sua evolução vinculado à Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo. “O HC conquistou excelência e, nos últimos anos, abordando o conceito de gestão na assistência e o trabalho desempenhado pelos seus colaboradores, permitiu superar todas as crises”.

Nos últimos meses, a jornalista Roxane Ré realizou, no Jornal da USP no ar, veiculado pela Rádio USP, uma série de entrevistas com os responsáveis pelos oito institutos vinculados ao complexo das Clínicas.

Na primeira entrevista da série, o professor Uenis Tannuri, do Instituto da Criança, falou sobre os 30 anos do primeiro transplante de fígado realizado pela unidade. Ele conta que, nesse período, 850 paciente portadores de doenças hepáticas terminais foram submetidos ao transplante o que significou uma nova perspectiva de vida a crianças, antes condenadas ao óbito em curto espaço de tempo.

Wagner Gattaz professor do Instituto de Psiquiatria (IPq) e idealizador do programa IPq Portas Abertas, falou sobre o atendimento prestado pelo instituto  e da formação de profissionais para o sistema de saúde. Cerca de oito mil pessoas são atendidas por mês no instituto, todas vindas do Sistema Único de Saúde. Gattaz fala sobre a importância dos atendimentos realizados: “Tratamos desde psicoses graves, como esquizofrenia, até transtornos alimentares, além de depressões. Além do aspecto assistencial, o instituto oferece ensino e pesquisa. Oferecemos residências não só em psiquiatria, mas multiprofissionais, para não médicos”.

Em 11 anos de existência, o Instituto do Câncer do Estado de São Paulo Octavio Frias de Oliveira (Icesp) do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP atende 47 mil pacientes. É o maior e mais importante centro de atendimento médico e hospitalar da América Latina. A unidade inicialmente foi projetada para abrigar um centro médico dedicado à saúde da mulher. Com o aumento da incidência dos casos de câncer no Brasil, a exemplo do que ocorre em todo o mundo, o governo do Estado de São Paulo transformou-o em uma unidade voltada exclusivamente à oncologia. Atualmente, também é parte importante na capacitação de profissionais na área da Saúde, relacionados à Oncologia. Ivan Cecconello, professor e diretor do Departamento de Cirurgia do Aparelho Digestivo e Coloproctologia do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo e presidente do conselho diretor do Icesp, fala da importância do atendimento prestado à população: “O instituto abriu um caminho onde tinha deficiências de atendimento e se tornou uma grande oportunidade de ensino, pesquisa, assistência e inovação tecnológica”.

 
Jornal da Usp
Adicionar comentário


logoMobile