sociais

logos

Cresce Brasil

A Fapesp e a Equinor (antiga Statoil), empresa norueguesa do setor de energia, com atuação no Brasil nas áreas de óleo e gás e energia solar, lançaram nesta terça-feira (19/02), em um evento na Fapesp, o Centro de Pesquisa em Engenharia em Gerenciamento de Reservatórios e de Produção de Petróleo e Gás (ERC-RPM, na sigla em inglês).

Ilustração do sistema de exploração de petróleo e gás da Equinor em águas profundas no campo de Peregrino, na bacia de Campos/RJ. Imagem: Equinor.Ilustração do sistema de exploração de petróleo e gás da Equinor em águas profundas no campo de Peregrino, na bacia de Campos/RJ. Imagem: Equinor.O novo centro será sediado na Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e terá o objetivo de buscar soluções inovadoras para otimizar a produção e a eficiência de poços de petróleo, recuperar reservatórios e melhorar o gerenciamento da água extraída junto com o petróleo nas atividades de perfuração e extração.

Para constituí-lo, a Fapesp e a Equinor lançaram em setembro de 2016 uma chamada de propostas no âmbito do programa Centros de Pesquisa em Engenharia (CPE). O projeto selecionado foi de autoria de pesquisadores vinculados à Faculdade de Engenharia Mecânica da Unicamp.

“O acordo da Fapesp com a Equinor para a criação desse novo centro de pesquisa contempla um dos objetivos da Fundação, que é o de promover o empreendedorismo tecnológico e áreas de pesquisa relacionadas à inovação, facilitando a relação entre universidades e empresas”, disse Marco Antonio Zago, presidente da Fapesp, durante o evento.

O centro terá três linhas de pesquisa: otimização de produção, recuperação avançada de óleo e gerenciamento de água (water handling). Os projetos serão realizados por pesquisadores e estudantes de pós-graduação da Unicamp em colaboração com colegas da Equinor e de outras universidades e instituições de pesquisa do Brasil e do exterior, de áreas como Matemática, Ciência da Computação, Engenharia Mecânica e Geologia, entre outras.

“A Equinor tem uma relação de longo prazo com as principais universidades da Noruega e outros países, como o Brasil, com quem estabelecemos algumas parcerias nos últimos 10 anos a fim de encontrar as melhores soluções para os desafios energéticos e industriais”, disse Margareth Øvrum, presidente da empresa no Brasil.

“Estou confiante de que esses 10 anos de trabalho integrado, em estreita colaboração com universidades, deixarão marcas positivas em termos de novos desenvolvimentos e soluções inovadoras para a indústria de petróleo”, disse Øvrum. 

O acordo terá duração de 10 anos, sendo que a FAPESP e a Equinor liberarão, meio a meio, recursos da ordem de R$ 25 milhões nos primeiros cinco anos e o mesmo valor no quinquênio seguinte. Outra parcela virá da Unicamp como contrapartida econômica, na forma de salários de pesquisadores e de pessoal de apoio, infraestrutura e instalações.

“A Unicamp está comprometida em promover a cooperação em pesquisa com o setor industrial em muitos segmentos estratégicos, e tem criado os meios institucionais para transformar a pesquisa feita na universidade em tecnologia e consolidar a inovação”, disse Marcelo Knobel, reitor da Unicamp.

“A criação desse novo centro é um passo fundamental para consolidar a cooperação de alto nível entre a indústria e as universidades no Estado de São Paulo”, avaliou.

 

Veja o texto na íntegra: Agência Fapesp

Adicionar comentário


Código de segurança
Atualizar

logoMobile