Imprimir

A falta de manutenção das barragens no Brasil, e a necessidade de investimento em engenharia e tecnologia foram apontadas por Murilo Pinheiro nesta entrevista à TV 247. Apesar da gravidade do que ocorreu em Mariana, não houve uma ação coordenada para impedir outros desastres.

Murilo Pinheiro: investir em tecnologia para prevenir desastresMurilo Pinheiro: investir em tecnologia para prevenir desastresA FNE está se mobilizando para organizar um encontro da engenharia em torno de soluções técnicas para as barragens e a eliminação dos riscos. Para Murilo, isso não se limita a resolver a questão financeira. "Não basta ter o dinheiro, sem corrigir" - afirmou. Segundo ele, é preciso focar em tecnologia.

Outras providências precisam ser tomadas e superadas. Murilo acredita que, enquanto houver a sensação de que reais responsáveis ficarão impunes, faltará confiança da população. Além disso, não adianta punir sem apurar corretamente. E, finalmente, ele criticou a forma como a Lavajato puniu e destruiu empresas brasileira e postos de trabalho em lugar de punir apenas as pessoas responsáveis, sem prejudicar o país. Diante da grande eliminação de postos de trabalho de engenheiros no país,

Murilo fez a defesa veemente da engenharia e da necessidade de investimento e política pública para impulsionar a economia e contestou a ideia de que o trabalho do engenheiro é caro. O engenheiro é capaz de projetar a obra justa, nem a mais, nem a menos, e isso representa muita economia. Além disso, não se pode aceitar tão poucos engenheiros para a inspeção, manutenção e fiscalização das milhares de barragens e obras no País. Murilo propõe, inclusive, que cada município tenha a sua própria Secretaria de Manutenção.

Confira a entrevista no vídeo a seguir.