Imprimir

Engenheiro traz nesta edição a análise da anunciada compra da Empresa Brasileira de Aeronáutica (Embraer) pela Boeing. Pelo memorando de entendimento assinado entre as duas companhias, o resultado da transação será ruim para o Brasil. Para a FNE, governo federal, que tem poder de vetar o negócio, deveria intervir para assegurar manutenção dos empregos e desenvolvimento tecnológico no País.

A batalha em torno da companhia aeronáutica insere-se na agenda do movimento sindical brasileiro, que luta para se fortalecer, apesar das mudanças trazidas pela reforma trabalhista. Com queda na arrecadação e entraves a sua atuação, entidades buscam formas de manter defesa de seus representados.

Em entrevista, o economista Antonio Corrêa de Lacerda alerta para a necessidade de mudanças na política econômica para que haja recuperação real. Consultor da edição do projeto “Cresce Brasil + Engenharia + Desenvolvimento” lançada em junho último, ele alerta: é preciso estimular investimentos produtivos para que o País saia da crise.

Ainda na pauta o início do segundo mandato do engenheiro Paulo Roberto de Queiroz Guimarães como presidente da Mútua – Caixa de Assistência dos Profissionais dos Creas. Reeleito em 3 de julho, ele faz balanço positivo do trabalho já realizado e promete avanços até 2021.

Em C&T o problema do excesso de material plástico descartado indevidamente no meio ambiente
e a busca de soluções.

E mais as iniciativas dos sindicatos
em todo o País.

Boa leitura.